All Posts

Twitch? Um guia para pais sobre um dos mais recentes fenómenos junto dos jovens

September 20, 2021

Com a constante e rápida mudança do meio digital, todos os dias surgem novas tendências e plataformas que despertam o interesse dos mais novos, mas que nem sempre os pais conseguem acompanhar. 

O Twitch é um destes fenómenos e trata-se de uma plataforma de streaming (transmissão de conteúdos, como áudio e vídeo, pela internet, sem necessidade de fazer download) dedicada maioritariamente, mas não de forma exclusiva, a conteúdos de videojogos. Aqui, os utilizadores podem assistir, gratuitamente, a vídeos de pessoas a jogarem jogos como Fortnite ou League of Legends, por exemplo, mas também vídeos não relacionados com gaming, como arte, podcasts ou gastronomia. 

Embora muito apreciada pelos mais novos, será esta uma plataforma segura? Com recurso ao Common Sense Media, o MILObs ajuda a esclarecer.

O que é o streaming?

streaming é um serviço que permite transmitir conteúdos – como áudio e vídeo – pela internet, sem necessidade de fazer download. A título de exemplo, algumas das plataformas de streaming incluem Apple Music, Pandora ou Spotify, para áudio, ou Netflix, HBO ou Disney+, para vídeo.

O Twitch é seguro para as crianças e adolescentes?

Qualquer plataforma de streaming apresenta alguns riscos para utilizadores mais novos. O Twitch tem moderadores e regras rígidas relativamente a conteúdo sexualmente sugestivo ou explícito, no entanto, não disponibiliza filtros de idade para as suas categorias mais específicas. Por isso, os utilizadores acabam por poder contactar com conteúdos e jogos mais violentos, como Grand Theft Auto V ou o Crysis 3. Embora os filtros de pesquisa de algumas categorias bloqueiem conteúdos considerados inapropriados para os mais novos, a categorização de cada vídeo em direto fica totalmente a cargo dos streamers, o que pode originar inconsistências na filtragem.

Além disso, os próprios streamers solicitam, de forma constante, donativos e subscrições pagas na promessa de envio de conteúdo exclusivo. 

O Twitch determina os 13 anos como a idade mínima para a utilização da plataforma, contudo, com base nestes argumentos, e considerando a natureza imprevisível inerente ao streaming e ao fórum de conversação, o Common Sense Media recomenda o Twitch apenas a partir dos 15 anos.

É possível falar com estranhos no Twitch?

Tal como muitas plataformas, o Twitch tem o seu próprio chat. Embora o chat seja, por vezes, restrito a alguns utilizadores (como seguidores ou subscritores de um determinado streamer), todos podem ler o que está a ser escrito. É, também, possível enviar mensagens diretas a cada utilizador, no entanto, as regras de privacidade permitem limitar quem nos pode contactar.

Que tipos de conteúdo os jovens encontram no Twitch?

Na verdade, embora o Twitch seja uma plataforma dominada pelo gaming, aos poucos surgem conteúdos não relacionados com jogos, por isso, os utilizadores podem encontrar vídeos de alguém a dançar, ou comer ou até de dois indivíduos, em países diferentes, a fazer os seus respetivos trabalhos de casa em simultâneo. 

Contudo, é importante referir que, embora a plataforma não permita linguagem ofensiva e sexualmente explícita, é permitida a transmissão de jogos violentos ou com nudez. Além disso, existem registos ocasionais de discurso de ódio e ciberbullying por parte dos utilizadores.

É possível bloquear conteúdo no Twitch ou limitar o tempo de uso da plataforma?

Sobre o controlo de conteúdos, atualmente, o Twitch não disponibiliza qualquer ferramenta de controlo parental ou formas de bloqueio dos streams. A única ferramenta ao alcance dos utilizadores é a aplicação de filtros no chat contra discriminação, linguagem sexualmente explícita, hostilidade e profanação, no entanto, a filtragem não é totalmente eficaz. 

Relativamente ao tempo de uso, não é possível determinar um tempo limite na plataforma.

E quando as crianças e adolescentes querem ser streamers no Twitch?

É natural que alguns utilizadores do Twitch queiram iniciar os seus próprios livestreams, ainda que tenham poucos ou nenhuns seguidores na sua conta. 

Aderir ao livestream tem os seus risco, em especial, para os mais novos, por isso, é essencial conversar com os jovens, entender as suas razões para emitir os vídeos e explicar-lhes os riscos associados. Se, ainda assim, for decisão das crianças e dos pais avançar para o livestream, sugerimos a aplicação de algumas regras:

  • Estabelecer limites relativamente ao local e altura do dia para efetuar o livestream.
  • Pedir autorização das pessoas que se quer envolver no vídeo.
  • Não esquecer o bom senso. 
Leia aqui o artigo completo do Common Sense Media