Voltar para as notícias

Cinco novas revistas e dois relatórios juntam-se aos recursos do MILObs

Dezembro 22, 2022

O final do ano trouxe diversas publicações sobre literacia mediática e digital. Entre números regulares e edições temáticas, cinco novos números de revistas científicas foram adicionados à lista de journals do MILObs.

O norte-americano Journal of Media Literacy Education, editado pela NAMLE (National Association for Media Literacy Education), publicou dez artigos e duas recensões no terceiro número do 14.º volume da revista. Todos os textos, redigidos em inglês, estão disponíveis em acesso aberto. A eslovaca Media Literacy and Academic Research lançou o segundo e derradeiro número de 2022 com 16 textos, também integralmente em acesso livre e em língua inglesa. Ainda entre as revistas regularmente dedicadas às questões da literacia mediática e digital, importa assinalar a chegada do 4.º número do volume 17 do Nordic Journal of Digital Literacy, centrado no design-based research e também totalmente disponível para consulta.  

Para além dos títulos habituais, as revistas Comunicação Pública e Profesional de la Información publicaram edições temáticas relacionadas com a educação e a literacia para os media. O número especial da primeira revista, editado por Patrícia Silveira e Ricardo Morais, tem como título “Literacia mediática: estratégias para fortalecer a cidadania e a democracia”. A segunda publicação centra-se no conceito de educomunicação e foi editada por Ignacio Aguaded, Sabina Civila e Arantxa Vizcaíno-Verdú.

Entre os novos recursos do MILObs há, ainda, dois relatórios. De 2021, o Adult Media Literacy in Australia: Attitudes, Experiences and Needs, redigido por Tanya Notley, Simon Chambers, Sora Park e Michael Dezuanni, “fornece a primeira análise abrangente sobre como os australianos compreendem e utilizam diferentes media tradicionais e digitais”. Mais recente é a publicação do Observatório Europeu do Audiovisual (setembro de 2022) intitulada “User empowerment against disinformation online”. De acordo com o prefácio assinado por Maja Cappello, este relatório “descreve as muitas formas pelas quais as autoridades públicas e as empresas privadas capacitam os utilizadores contra a desinformação online”, particularmente no contexto europeu.